quarta-feira, outubro 17, 2007

O jOOst está cOOl

Quando o Joost era fechadão e tínhamos um hype na internet, havia entre os geeks e techers o desejo de explorar e tal TV na intenet. Depois passou um tempo e o pessoal deixou de lado. Mas o Joost vem evoluindo bastante. Seu design de interface está mais excitante, bonito, fácil e organizado. A linha gráfica está mais moderna e com elementos mais bem trabalhados, dando uma identidade bem melhor.

A interação com os elementos está mais rica, o que motiva a exploração, e com recursos bem legais. É possível ver esta interação mais power no Explore, onde são apresentados os canais. E muito legal ver os boxes com os logos dos canais transparentes sobre a imagem do vídeo rolando.

Na base temos duas ferramentas bem interessantes. Uma para vc montar o seu próprio canal, adicionando os vídeos e os vendo depois em seqüência, e outra para aumentar o número de boxes dos canais exibidos.

Se vc deixou de lado o Joost há um bom tempo, vale atualizá-lo para explorar.
www.joost.com

domingo, agosto 26, 2007

Animação em estado de arte

Neste fim-de-semana peguei o DVD Memories, criado por Katsuhiro Otomo o mesmo de Akira. São 3 curtas de animação, mas destaco a última. Uma obra de arte nota mil. A camera desliza sobre uma linha gráfica de ilustração 2D extremamente bela, quase sem cortes. E com uma grande mensagem.
Link do filme

quarta-feira, julho 25, 2007

Um novo final para o começo dos Simpsons

No dia 27 de julho estréia The Simpsons Movie. Bem, em todo o desenho dos Simpson temos a abertura com um finalzinho criativo. A família sempre juntinha diante da TV, como na figura abaixo.



Este final precisa ser repensado. Com as mudanças culturais na relação entre as pessoas e a mídia TV, este final pode ser considerado ultrapassado. O ideal seria o final da abertura parar no frame abaixo. Podemos imaginar sim que Bart está jogando seu PSP, Lisa ouvindo um podcast sobre blues no seu IPod, a Marge fofocando no seu celular, a Maggie tendo seus primeiros contatos com o computador mexendo a setinha com o mouse e o Ajudante de Papai Noel lambendo o controle do XBox 360. E o Homer? Ele tá lá no bar do Moe vendo uns sites pornôs na pequena Lan House que o Moe colocou para faturar um trocado – claro que acompanhado da sua velha e inseparável cerveja.



Matt Groening, vamos atualizar aí...



Ads to Icons

Ads to Icons: How Advertising Succeeds in a Multimedia Age é mais um livro do novo mundo da comunicação. Não li, mas achei boa a resenha na Amazon. Já tá no meu wish.

Me dá um espaço na sua mente

Hoje temos um desafio pensante ao criar. Como fazer circular a marca na mente de um consumidor de bom poder aquisitivo que ignora a cada dia as mídias de massa, e despreza os argumentos de venda da publicidade?

Hoje o tempo do consumidor é apertado e sua mente é tomada por milhares de coisas (veja que as técnicas de GTD estão crescendo e isso indica que as pessoas, além da falta de tempo, estão com as mentes abarrotadas sem espaço para focar em muita coisa), o que não sobra espaço para guardar conceitos de marcas.

Uma idéia é prolongar a interação. Fisgar e seduzir para retê-lo por um bom tempo em contato com a marca. Ambientes lúdicos de exploração, advergames, histórias inteligente, criativas e bem produzidas são caminhos que ajudam a aumentar o tempo de contato com a marca, e assim fixa-la na mente.

domingo, julho 15, 2007

Para os profissionais de planejamento

Se o mundo muda a cada segundo, os profissionais precisam mudar a cada milésimo de segundo.

Leitura solta: planejamento

A mente faz leitura em série dos acontecimentos, movimentos e alterações fragmentadas que mostram fatos e tendências do mundo, e isso gera raios de idéias que chegam aos olhos, mentes e corações das pessoas que consomem um mundo que os consomem.

segunda-feira, julho 09, 2007

Cadê o videogame da Apple?

Para mim mais cedo ou mais tarde a Apple entra para brigar no mercado de Games. Talvez fazendo uma associação com alguma grande empresa dos eletrônicos. Know-how, hardware, design e criatividade já tem. É esperar.

Talvez na quarta geração já teremos um Apple console.

domingo, junho 17, 2007

Novo publicitário

O afastamento cada vez maior dos consumidores das tradicionais mídias de massa nos traz o desafio de um novo pensar em termo de comunicação, marketing e geração de negócios. Primeiro de como alcança-lo, de como impacta-lo com a mensagem, de como segura-lo na estratégia, e por último de que como estimula-lo a gerar mais mídia e a influenciar outros consumidores. O desafio nos torna um profissional muito mais do que antenado ao comportamento humano, mas capaz de reler em milésimos um novo mundo a cada segundo.

Indo para o Toque Aqui

Antes era só o cursor quadradinho piscante para nos orientar no digitar, depois somou-se o cursor setinha para nos orientar a clicar, e agora teremos que nos acostumar com o toque. O Clique Aqui com o passar do tempo será substituído pelo Toque Aqui. Já o vemos no Second Life, teremos no IPhone da Apple e no Surface da Microsoft.

A tecnologia do multitouch vai mudar novamente a interação com os equipamentos e introduzirá no dia-a-dia a expressão Toque Aqui.

Não queiram minimizar a força o branding

Nesta semana saiu uma nota no Blue Bus referente a uma pesquisa sobre a força do Branding que ajuda no último clique da conversão. Durante um bom tempo os frios do marketing, que só vêem números e são cartesianos, falam que o banner vai morrer, que o que interessa são as estratégias de Search e que o branding é dinheiro jogado fora. Sofri um bem tempo falando que a soma dos dois é o ideal. Que o consumidor guarda um resíduo das marcas conforme é impactado de forma inusitada e emocional, e que isso influência no último clique.

Pelo menos a pesquisa confirma isso.
http://www.bluebus.com.br/show.php?p=2&id=77292&st=busca

domingo, junho 03, 2007

Venda a inteligência

Mais cedo ou mais tarde, as agências terão que cobrar pesado pela inteligência que fornece aos clientes. O modelo atual está matando as agências, que demoram para entrar no novo modelo de ganho financeiro, pq estão presa ao velho método.

Vender a integração interativa total com a criatividade da mensagem publicitária é o caminho.

Vale ler esta matéria:
http://online.wsj.com/article/SB118005411110914183.html?mod=hpp_free_today

Obs.: a divisão online e offline, tem que sair logo das conversas dos publicitários.